Vazio

Hoje um vazio imenso tomou conta de mim. É difícil até de falar. Perdi uma das minhas melhores amigas. E perdi para sempre.

Depois de tanto tempo tentando descobrir o que Garfielda tinha, finalmente tivemos certeza: processo inflamatório crônico no intestino. Descobrimos isso através de um laudo ultrassonográfico realizado há dois dias. Não houve tempo de tratar...

Na verdade, o tempo de Garfielda foi longo para os problemas que apresentou desde filhote, com seus 30 ou 40 dias. Bem que dizem que a Natureza sabe o que faz, quando sua mãe biológica a rejeitou, mas nós fomos insistentes na busca de sua cura. Não foi possível...

Garfielda viveu 1 ano e 9 meses, aproximadamente. Em todo esse tempo tentamos desesperadamente tratá-la das crises de vômito, diarreia, anemia e tudo o mais. Extraímos dentes, tratamos infecções no ouvido, massageávamos sua barriga para aliviar o incômodo que retornava regularmente. Isso tudo nos aproximou demais, digo isso, porque agora sinto o quanto dói não tê-la aqui, para me encontrar quando levanto ou quando ando pela casa.

Quando acordei tive certeza de que ela estava aqui, como sempre, me esperando na frente da porta do quarto, pronta para correr ao meu encalço. Tive a impressão de vê-la parada embaixo do espelho do corredor, mas ela não estava (será?). Logo recebi a temida ligação da veterinária dizendo que ela havia morrido, não resistiu à última crise. O chão saiu debaixo dos meus pés...

Ontem, como em todos os dias em que esteve internada, fui visitá-la e pedi para ela se esforçar para melhorar. Coitada, ela fez isso durante a vida inteira. Ela pediu colo, me puxou pela grade e se aninhou em meus braços, numa bolinha de pêlos. Ficou ali todo o tempo, nem prestou atenção no que acontecia ao entorno, só queria colo. Fiquei com ela aninhada nos braços um bom tempo, mas agora percebo que não foi o suficiente, queria ter ficado mais, mas a clínica estava fechando. Quando a coloquei novamente no alojamento, ela não queria ficar, fazia um esforço incomum para voltar ao meu colo... Ai, como essa lembrança dóóóóiiiii (lágrimas, muitas lágrimas).

Pensei que ela voltaria para casa, como aconteceu nas muitas vezes em que ficou internada. Mas dessa vez não foi possível. Eu tenho muitos gatos e outros animais, os amo imensamente, mas a Garfielda era diferente, era um amor sem igual. Queria ter tido mais uma chance de aquecê-la no meu colo, de dizer o quanto eu a amo e quero bem. Queria ter podido tirar com as mãos a sua dor, para deixá-la para sempre feliz.

Decidimos enterrá-la no jardim da casa nova, para onde ainda não nos mudamos. Seria injusto não levá-la estando tão próximo da mudança. Ela ganhou um lugar especial, um canteiro no meio do jardim onde certamente nascerão muitas flores. Enquanto esperava o local ficar pronto, fiquei observando as árvores, o Sol e o céu, que estava límpido e azul. De repente, uma borboleta com as cores da Garfielda pousou sobre uma folha e parecia que acenava com as asas para mim.

Eu não sei se era ela ou se na minha profunda tristeza tudo faz lembrar ela. Só sei que ela deixou um enorme vazio, um vazio doloroso, uma falta indescritível, que demorará a passar.

Garfielda, mamãe te ama muito. Mitzuca mandou um super beijo de gato para você, ela também está triste. Descansa em paz.




"É muito triste perder um amigo, ainda mais triste perder nosso melhor amigo, que está aqui todos os dias, faça chuva ou faça sol, a nos fazer companhia e dando amor."

Comentários

Tereza disse…
estou muito triste por perder uma amiga como vc falou vai ficar um vazio enorme quando li até fiquei emocionada até chorei mas sei como é perder um amigo pois ja perdi 2 a lilica e misse miau gato isso é muito triste e quando li que ela não queria sair do seu colo quer dizer que ela nunca vai te abandonar nunca mesmo pois uma amizade dessas nunca se esquece.adeus garfielda e descance em paz........

Postagens mais visitadas